• Rodrigo Moreira de Mello

É hora de olhar novamente para os "black commons" e a propriedade coletiva?

Atualizado: 27 de Jul de 2020


Tradução do artigo “Land loss has plagued black America since emancipation – is it time to look again at ‘black commons’ and collective ownership?”, publicado por Julian Agyeman, Professor de Política e Planejamento Urbano e Ambiental da Tufts University e Kofi Boone, Professor de arquitetura paisagística no College of Design, North Carolina State University, no portal The Conversation.


O artigo original e completo poderá ser acessado aqui.





A perda de terras tem atormentado a América negra desde a emancipação - é hora de olhar novamente para os "black commons" e a propriedade coletiva?


Subjacente à recente agitação que varre as cidades dos EUA em decorrência da brutalidade policial, há uma desigualdade estrutural em termos de riqueza, terra e poder que circunscreveu vidas negras desde o fim da escravidão nos EUA.[i]


Os “40 acres e uma mula” prometidos aos africanos anteriormente escravizados nunca aconteceram.[ii] Não houve redistribuição de terras, nem reparações pelas riquezas extraídas das terras roubadas pelo trabalho roubado.


O dia 19 de junho é comemorado pelos negros americanos como Juneteenth, marcando a data que em 1865 ex-escravos foram informados de sua liberdade - embora dois anos após a Proclamação de Emancipação.[iii][iv] Chegando neste ano em um momento de protesto contra a recorrente matança policial de pessoas negras, a ocasião oferece uma oportunidade de refletir sobre como os negros americanos foram privados da propriedade da terra - e do poder econômico que ela traz. Um conceito expandido de “black commons” - baseado em recursos econômicos, culturais e digitais compartilhados, além de terras - poderia funcionar como um meio de reparação.[v] Como professores de planejamento urbano e arquitetura paisagística, nossa pesquisa sugere que esse conceito poderia ser parte da reparação do legado racista da escravidão, estimulando o desenvolvimento econômico e criando riqueza comunitária.


Tomada da terra


A proporção dos Estados Unidos sob propriedade dos negros teve um declínio nos últimos 100 anos.[vi]


No auge, em 1910, os agricultores afro-americanos representavam cerca de 14% de todos os agricultores dos EUA, possuindo 16 a 19 milhões de acres de terra. Em 2012, os americanos negros representavam apenas 1,6% da comunidade agrícola, possuindo 3,6 milhões de acres de terra. Outro estudo mostra um declínio de 98% de agricultores negros entre 1920 e 1997. Isso contrasta fortemente com o aumento de hectares de propriedade de agricultores brancos no mesmo período.


Em um relatório de 1998, o Departamento de Agricultura dos EUA atribuiu esse declínio a uma longa e "bem documentada" história de discriminação contra fazendeiros negros, variando de práticas discriminatórias do New Deal e USDA que durante os anos 30 aos anos 50 marcaram exclusões do direito, títulos e recursos de financiamento.


Práticas discriminatórias também afetaram quem é o dono de outras propriedades, como de terras. Em 2017, a diferença racial entre proprietários de casas estava em seu nível mais alto em 50 anos, com 79,1% dos americanos brancos possuindo uma casa, em comparação com 41,8% dos negros americanos. Essa lacuna é ainda maior do que era quando as práticas habitacionais racistas eram legais, como a redução de linhas, que negavam hipotecas a residentes negros para comprar ou empréstimos para reformar propriedades.


A restrição da propriedade é crucial para entender a disparidade econômica incapacitante que esvaziou a classe média negra e continua a atormentar a América negra - dificultando o acúmulo de riqueza e a repassando para as gerações futuras.


Um relatório de 2017 descobriu que o patrimônio líquido médio para famílias negras americanas não imigrantes na região da grande Boston era de apenas US$ 8, mas para os brancos era de US$ 247.500. Isso ocorreu devido à “discriminação geral de habitação e empréstimos por meio de convênios restritivos, redlining e outras práticas de restrição de financiamento”.


Nacionalmente, entre 1983 e 2013, a riqueza média das famílias negras diminuiu 75%, para US$ 1.700, enquanto a riqueza média das famílias brancas aumentou 14%, para US$ 116.800.


Fazendas da liberdade


A propriedade da terra poderia ser muito diferente. A ideia de propriedade coletiva tem uma longa história nos Estados Unidos. Mesmo durante a escravidão, um pedaço de terra foi concedido por proprietários de escravos para a agricultura de subsistência africana escravizada. A teórica social jamaicana Sylvia Wynter chamou essa terra de "trama".


Wynter explicou como essas parcelas foram transformadas em áreas comuns onde os escravos poderiam estabelecer sua própria ordem social, sustentar o folclore tradicional africano e sua culinária - cultivo de inhame, mandioca e batata doce. Muitas vezes, essas parcelas de terra eram chamadas de “inhame”, tão importante era esse alimento básico.


A conexão entre comida, terra, poder e sobrevivência cultural era de natureza subversiva. Ao apropriar-se do espaço físico para apoiar práticas coletivas de crescimento, dentro das restrições brutais da escravidão, os negros também demonstraram a necessidade de um comum - um espaço mental compartilhado para permitir sua sobrevivência e resistência. Herbalismo, medicina e obstetrícia, além de outras práticas de cura afro-americanas eram vistas como atos de resistência "intimamente ligados à religião e à comunidade", segundo a historiadora Sharla M. Fett.


Com o fim da escravidão, essas comunidades desapareceram, mas os princípios da propriedade coletiva da terra evoluíram na América negra pós-escravidão. Era o ponto central da organização de direitos civis Freedom Farms Fannie Lou Hamer[vii] [viii], um modelo cooperativo projetado para oferecer justiça econômica aos agricultores negros mais pobres do sul da América.


Na visão de Hamer, a luta pela justiça diante da opressão exigia uma medida de independência que poderia ser alcançada através da posse de terras e do fornecimento de recursos para a comunidade.


Esta ideia de um “black common” como meio de empoderamento econômico constituiu o objeto de W.E.B. Du Bois, "Cooperação Econômica Entre Negros Americanos", livro publicado em 1907[ix]. Du Bois acreditava que a extrema segregação da era Jim Crow tornava necessário fundamentar o empoderamento econômico nos laços culturais entre os negros e que isso poderia ser alcançado através da propriedade cooperativa.


Associações de crédito e cooperativas


A acumulação de riqueza não era a única consequência desejada de um "black common".


Em 1967, o crítico social Harold Cruse defendeu um "novo institucionalismo" que criaria uma “síntese dinâmica de política, economia e cultura". Para ele, os empreendimentos econômicos precisavam ser fundamentados nas aspirações maiores das comunidades negras - política, cultural e economicamente. Isso poderia ser alcançado através de um “black common”.


Como observou a economista política Jessica Gordon Nembhard, em referência às associações de crédito para negros e fundos de ajuda mútua, “os afro-americanos, assim como outras pessoas de cor e de baixa renda, se beneficiaram muito da propriedade cooperativa e da participação econômica democrática ao longo da história do país."


O Schumacher Center for a New Economics, organização sem fins lucrativos, está trabalhando para rejuvenescer a ideia de “black Commons”. Em uma declaração de 2018, o centro propôs a adoção de uma estrutura de um fundo fundiário comunitário (community land trust - CLT) “para servir como veículo nacional para acumular terras adquiridas e sobredotadas em "black commons", com o objetivo específico de facilitar o acesso de baixo custo para os negros americanos até então sem esse acesso. "


Enquanto isso, os esquemas de habitação compartilhada e os fundos fundiários comunitários continuam a crescer, ajudando as famílias negras a possuir propriedades, promover a justiça racial e econômica, além mitigar o deslocamento resultante da gentrificação.


Comuns Digitais


Os efeitos desproporcionais da pandemia de coronavírus e a agitação sobre a brutalidade policial destacaram um racismo estrutural profundamente enraizado. Organizações como Black Lives Matter e o Movement for Black Lives estão demonstrando um vigor renovado em torno da ação coletiva e um plano de como isso pode ser alcançado na era digital. Ao mesmo tempo, os negros americanos também estão criando um bem cultural através de eventos como o Club Quarantine do DJ D-Nice - uma festa de dança online muito popular. O sucesso do Club indica o potencial do uso de plataformas on-line para facilitar a construção de comunidade, apontando para uma futura cooperação econômica.


É isso que organizações como a Urban Patch estão tentando fazer. O grupo sem fins lucrativos utiliza financiamento coletivo para construir espaços comunitários nas áreas centrais da cidade de Indianápolis e incentivar o desenvolvimento econômico coletivo que ecoa os "black commons" dos anos anteriores.


A longa história do racismo nos Estados Unidos emperrou os negros americanos por gerações. Mas o espírito atual que busca esse legado também é uma oportunidade incomparável de olhar novamente para a ideia de ação e propriedades coletivas dos negros, usando-a para criar uma comunidade e uma economia que vai além da posse da terra por riqueza.


__________________________________________

[i] A economia dos EUA foi construída sobre a exploração e segregação ocupacional de pessoas de cor. Enquanto muitas políticas governamentais e práticas institucionais ajudaram a criar esse sistema, os legados da escravidão, Jim Crow e o New Deal - assim como o financiamento e o escopo limitados das agências de combate à discriminação - são alguns dos maiores contribuintes para a desigualdade na América. Juntas, essas decisões políticas concentraram trabalhadores de cor em ocupações cronicamente subvalorizadas, disparidades raciais institucionalizadas em salários e benefícios e perpetuaram a discriminação no emprego. Como resultado, existem disparidades raciais fortes e persistentes em empregos, salários, benefícios e quase todas as outras medidas de bem-estar econômico. Disponível aqui. [N.T] [ii] A promessa foi a primeira tentativa sistemática de fornecer uma forma de reparação aos escravos recém-libertados, e era surpreendentemente radical para a época [...]. De fato, essa política seria radical em qualquer país hoje em dia: o confisco massivo de propriedade privada pelo governo federal - cerca de 400.000 acres - anteriormente pertencente a proprietários de terras confederados e sua redistribuição metódica a ex-escravos negros. O que a maioria de nós nunca ouviu falar é que a ideia foi oficialmente concebida pelos próprios líderes negros. Disponível aqui. [N.T] [iii] A Proclamação de Emancipação, ou Proclamação 95, foi uma proclamação presidencial e ordem executiva emitida pelo Presidente dos Estados Unidos Abraham Lincoln em 22 de setembro de 1862, durante a Guerra Civil. Ele mudou o status legal sob a lei federal de mais de 3,5 milhões de afro-americanos escravizados nos estados confederados secessionistas de escravo para livre. Assim que um escravo escapasse do controle do governo confederado, fugindo através das linhas da União ou através do avanço das tropas federais, ele ficaria permanentemente livre. Por fim, a vitória da União pôs em vigor a proclamação em toda a ex-Confederação. Os escravos restantes, aqueles nas áreas que não estavam em revolta, foram libertados pela ação do Estado durante a guerra, ou pela Décima Terceira Emenda à Constituição dos Estados Unidos, ratificada em dezembro de 1865. Disponível aqui. [N.T] [iv] Atualmente no Juneteenth celebra-se a liberdade e a conquista afro-americana, ao mesmo tempo em que incentiva o auto-desenvolvimento e o respeito por todas as culturas. Como assume uma perspectiva mais nacional, simbólica e até global, os eventos de 1865 no Texas não são esquecidos, pois todas as raízes se ligam a esse solo fértil do qual está crescendo um dia nacional do orgulho. Disponível aqui. [N.T] [v] Resolvemos manter a expressão “black Commons” no seu idioma original pois acreditamos que seu significado possui uma ligação íntima com a história dos negros daquele contexto, bem como sua forma específica de organização comunal. Não houve prejuízo para a compreensão das ideias aqui formuladas. [N.T] [vi] Oito gerações depois, a diferença de riqueza racial está bocejando e crescendo. A família negra típica tem apenas 1/10 da riqueza da família branca típica. Em 1863, os americanos negros possuíam metade de 1% da riqueza nacional. Hoje, é pouco mais de 1,5% para aproximadamente a mesma porcentagem da população geral. A causa dessa estagnação tem sido amplamente invisível, oculta pela suposição de progresso após o fim da escravidão e pelas conquistas dos direitos civis. Mas, para todos os ganhos que os americanos negros obtiveram, as pessoas no poder criaram pacotes de discriminação, em grande parte ocultos à vista, que frustraram repetidas vezes a promessa econômica de emancipação. Disponível aqui. [vii] Fannie Lou Townsend Hamer foi uma das vozes mais importantes, apaixonadas e poderosas dos movimentos civis e dos direitos de voto e líder nos esforços por maiores oportunidades econômicas para os afro-americanos. Em 1964, ela ficou nacionalmente conhecida quando co-fundou o Partido Democrático da Liberdade do Mississippi (MFDP), que desafiou os esforços do Partido Democrata local para bloquear a participação dos negros. Hamer e outros membros do MFDP foram à Convenção Nacional Democrática naquele ano, alegando serem reconhecidos como a delegação oficial. Quando Hamer falou perante o Comitê de Credenciais, pedindo delegações estaduais integradas obrigatórias, o Presidente Lyndon Johnson realizou uma conferência de imprensa na televisão para que ela não tivesse tempo para ir à televisão. Mas seu discurso, com suas descrições pungentes de preconceito racial no sul foi televisionado mais tarde. Em 1968, o ideal de Hamer de paridade racial nas delegações tornou-se realidade e ela tornou-se membro da primeira delegação integrada do Mississippi. Disponível aqui. [N.T] [viii] Em 1969, a Sra. Hamer fundou a Freedom Farm Cooperative com uma doação de US $ 10.000 da Measure for Measure, uma organização de caridade sediada em Wisconsin. A fundadora comprou 40 acres de terra nobre do Delta. Foi sua tentativa de empoderar os fazendeiros e fazendeiros negros pobres que, por gerações, estiveram à mercê dos proprietários brancos locais. “Chegou a hora agora em que teremos que conseguir o que precisamos. Podemos obter uma pequena ajuda, aqui e ali, mas, principalmente, teremos que fazer isso sozinhos”, explicou ela. Disponível aqui. [N.T] [ix] Livro sob domínio público, disponível para download aqui. [N.T]

68 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo